Voltar para a lista de cursos

engenharia ambiental e sanitaria

  Informações Gerais

 

Regime escolar: Semestral
Turno de funcionamento: Noturno
Integralização Curricular

Modalidade: Bacharelado – Presencial
Tempo previsto: Mínimo 10 semestres e Máximo: 20 semestres
Carga horária total: 3.836 horas

 Perfil do Egresso 

   

O Curso de Engenharia Ambiental entende que a formação do aluno de graduação se dá a partir da sua entrada na Academia e continua permanentemente durante o curso e posteriormente a ele. Este profissional deve estar em consonância com os princípios propostos para a educação no século XXI: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser.   


 Objetivos

O curso de Bacharelado em Engenharia Ambiental deve ensejar condições para que o bacharel em Engenharia Ambiental esteja capacitado a compreender as questões científicas, técnicas, social e econômico da produção e de seu gerenciamento no seu conjunto visando o desenvolvimento sustentável.

 

  Habilidades e Competências 

A formação do Engenheiro Ambiental tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais:

  1. Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia;
  2. Projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
  3. Conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
  4. Planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia;
  5. Identificar, formular e resolver problemas de engenharia;
  6. Desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;
  7. Supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;
  8. Avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;
  9. Comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;
  10. Atuar em equipes multidisciplinares;
  11. Compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais;
  12. Avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental;
  13. Avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;
  14. Assumir a postura de permanente busca de atualização profissional.

 Grade Curricular e Corpo Docente 

1º Período

Disciplinas

Química Geral e Orgânica

Microbiologia

Agronegócio e Ciências Ambientais

Comunicação e Processo Científico

Projeto Integrador I (Empreendedorismo, Liderança Criatividade e Inovação)

 

2º Período

Disciplinas

Matemática

Ecologia e Ecossistemas

Geologia e Biologia do Solo

Desenvolvimento do Pensamento Filosófico

Projeto Integrador II (Responsabilidade Social, Educação, Étnico-racial)

 

3º Período

Disciplinas

Física

Topografia

Química Analítica e Ambiental

 Agrometeorologia e Climatologia

Desenvolvimento Social e Humano

Projeto Integrador III (Legislação Agrária Ambiental Ergonomia e Segurança do Trabalho)

 

4º Período

Disciplinas

Estatística e Experimentação

Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto

Desenho Técnico e Construções

Sustentabilidade e Desenvolvimento

Projeto Integrador IV (Planejamento e Gestão Ambiental)

 

5º Período

Disciplinas

Álgebra

Avaliação de Impacto e Riscos Ambientais

Cálculos Diferenciais

Ciência Política e Políticas Contemporâneas

Projeto Integrador V  (Economia e Cooperativismo)

 

6º Período

Disciplinas

Instrumentação

Eletricidade Aplicada

Cálculo Numérico

Poluição

Administração Mercadológica

Projeto Integrador V (Energias Alternativas)

 

 

7º Período

Disciplinas

Hidrologia, Hidráulica Irrigação e Drenagem

Fenômenos de Transporte

Saneamento e Saúde Ambiental

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Projeto Integrador VII (Geopolítica)

 

8º Período

Disciplinas

Hidráulica Ambiental e Recursos Hídricos

Mecânica dos Sólidos e dos Fluídos

Planejamento Industrial e Desenvolvimento Urbano

Gestão Econômica de Projetos

Projeto Integrador VIII (Economia dos Recursos Hídricos)

 

9º Período

Disciplinas

Componentes Hidromecânicos

Conservação e Recuperação de Ambientes

Tratamento de Resíduos Sólidos Líquidos e Gasosos

Optativa

Trabalho de Conclusão de Curso I

Estágio Supervisionado I

 

10º Período

Disciplinas

Trabalho de Conclusão de Curso II

Tópicos Especiais

Seminário Integrador

Estágio Supervisionado

 

 

Corpo Docente

Docente

Alexandre Tourino Mendonça

Fábio Antônio Pimenta de Biaso

Helena Maria Pereira Borges       

Humberson Rocha Silva

Iracema Rezende de Oliveira Araújo

Jocyare Cristina Pereira de Souza

Lourival Eustáquio de Melo

Luciano Marcos Dias Cavalcanti

Luiza Sarrápio Procópio

Luiz Antonio Andriatta Ayres

Maria Alice Fernandes Corrêa Mendonça

Maurício Cezar Resende Leite Junior

Nivaldo da Silva

Paulo Herique Pereira

Ramiro Machado Rezende

Terezinha Richartz Santana

Viviane de Fátima Silva Pessoa                

Wezer Lismar Miranda

 Formas de Avaliação 


A avaliação da aprendizagem no Curso de Engenharia Ambiental é entendida como um processo contínuo, sistemático e integral de acompanhamento e julgamento do nível no qual alunos e professores se encontram em relação ao alcance dos objetivos desejados na formação do profissional em questão.

Nesse sentido, deve ser entendida como um processo indissociável da dinâmica de ensino e aprendizagem, pois implica a realização de verificações planejadas para obter diagnósticos periódicos do desempenho dos alunos e professores em relação à transmissão/assimilação e replanejamento das ações sempre que necessário.

Como processo cooperativo implica a tomada de decisão de todos os participantes deste processo (alunos, professores, profissionais dos serviços nos quais ocorre a aprendizagem) em relação ao projeto curricular. Dessa forma, os diferentes momentos da avaliação durante o processo (resultados parciais) legitimam-na como produto apreendido em termos de resultado final.

Para que seja viabilizada dentro desta concepção, é importante que haja clareza quanto às características que nortearão a sua operacionalização:

  • Para ser contínua, a avaliação deve acontecer ao longo de todo o processo de ensino e aprendizagem, realizada em diferentes momentos, não sendo pontual (isolada) nem um momento terminal do processo educativo.
  • Para ser sistemática, a avaliação não pode ser improvisada; deve ser um ato intencional, consciente e planejado como parte integrante do processo de ensino e aprendizagem. Requer-se clareza quanto às suas finalidades, bem como quanto à utilização de instrumentos e medidas adequadas, que seja pensada como uma atividade permanente, permitindo acompanhar passo a passo a evolução do aluno na assimilação, construção e produção do seu conhecimento.
  • Para ser integral, a avaliação deve estender-se a todos os domínios do comportamento: cognitivo, afetivo e psicomotor.
  • Para estar voltada ao alcance dos objetivos, a avaliação deve ser planejada de acordo com o perfil profissional delineado no PPC, explicitado na forma do desempenho (conhecimentos, habilidades e atitudes) desejado no graduando.
  • Para ser indissociável da dinâmica de ensino e aprendizagem, a avaliação deve ser coerente com o projeto pedagógico, no sentido de refletir os objetivos e princípios que o norteiam. Não pode se limitar a um momento separado ou independente do processo de ensino.
  • Para ser inclusiva, a avaliação deve facilitar ao professor, quando detectar problemas e/ou dificuldades de aprendizagem, propor alternativas de recuperação desta, integrando o aluno na busca persistente do alcance dos objetos desejados.
  • Para ser abrangente, a avaliação não deve se restringir ao desempenho do aluno, mas também fornecer subsídios para avaliar o desempenho do professor e de outros profissionais envolvidos na formação acadêmica, auxiliando na tomada de decisões sobre o projeto pedagógico.
  • Para ser cooperativa, a avaliação deve ter atuação ativa de todos os participantes do processo de ensino e aprendizagem, proporcionando feedback mútuo e reflexão sobre o próprio desempenho (autoavaliação).

A avaliação dos processos de ensino e aprendizagem na concepção do curso tem por objetivo visualizar as projeções sociais e reais, não simplesmente interagindo-os, mas construindo-os.

Tipos de Avaliação do Rendimento Acadêmico

A Avaliação do Rendimento Acadêmico se dá a partir de dois aspectos: o aproveitamento escolar e assiduidade.

Quanto ao aspecto da assiduidade, permanece a exigência legal, já conhecida por todos: é considerado aprovado o aluno com frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária prevista para cada componente curricular.

Quanto ao aspecto da avaliação do aproveitamento, em termos de aprendizagem, ficam instituídas as seguintes modalidades de avaliações:

VA - Verificação de Aprendizagem – trata-se de avaliação individual, escrita e/ou prática observada a natureza do componente curricular, referente ao conteúdo programático cumulativo, prevista em calendário específico.

OAt - Outras Atividades – obtida por meio de verificação do rendimento do aluno em atividades (individual ou em grupo), de investigação (pesquisa, iniciação científica, práticas investigativas), de extensão, trabalhos de campo, seminários, resenhas, fichamentos e outras formas de verificações previstas no Plano de Ensino do Professor, respeitado o Calendário Acadêmico, traduzidas em notas. No caso de trabalho em grupo, deverá ser considerado o desempenho individual de cada aluno.

VS – Verificação Substitutiva – avaliação escrita com conteúdo cumulativo, referente a todo o semestre letivo, ofertada ao aluno que a requerer, destinada a substituir apenas uma (01) das VAs perdida pelo mesmo.

VF – Verificação Final – avaliação escrita com conteúdo cumulativo referente a todo o semestre letivo, ofertada após o encerramento do semestre letivo, ao aluno que a requerer, desde que o resultado obtido nas avaliações anteriores tenha sido inferior a 60 pontos e igual ou maior que 40.

Pontuação e Critérios para Apuração da Avaliação do Rendimento Escolar

As VAs – Verificações de Aprendizagem serão em número de três (03) no semestre letivo, em cada componente curricular e com as seguintes pontuações:

  • VA 1 = 15 pontos
  • VA 2 = 25 pontos
  • VA 3 = 35 pontos

As OAts – Outras Atividades terão o valor total de 25 pontos, os quais poderão ser distribuídos em várias atividades, a critério do professor do componente curricular.

A apuração dos resultados da avaliação da aprendizagem é assim processada:

  • NS – Nota Semestral – resultado obtido pelo somatório das VAs (Verificações de Aprendizagem) + OAt -Outras Atividades.
  • RF – Resultado Final – é o resultado da avaliação da aprendizagem obtido pelo aluno por meio da média aritmética simples entre os resultados da Nota Semestral (NS) e Verificação Final (VF), em cada componente curricular, cuja pontuação mínima de aprovação deve ser de 60 pontos.

As médias dos alunos serão calculadas de forma automática pelo Sistema Acadêmico, permitindo-se arredondamento.

Oportunidades de Recuperação da Aprendizagem

A recuperação de aprendizagem é processual e se dará durante o período letivo, sendo realizada por meio de OAt - Outras Atividades e/ outros meios que o professor definir em seu planejamento.

 Autoavaliação 

A UninCor conta com uma Comissão Própria de Avaliação – CPA, autônoma na forma da lei e independente de vínculo com qualquer órgão colegiado ou diretivo da universidade, com as atribuições de condução dos processos de avaliação internos, de sistematização e de prestação das informações, visando à constante melhoria da qualidade do ensino ministrado.

A CPA é constituída, tanto a composição quanto a coordenação, por ato da Reitoria ou por previsão no seu próprio regulamento, assegurada a participação de todos os segmentos da comunidade universitária e da sociedade civil organizada, e vedada a composição que privilegie a maioria absoluta de um dos segmentos.

Serão etapas da auto avaliação do curso:

  • Definição de indicadores e fontes para a compreensão do diagnóstico.
  • Definição dos instrumentos a serem utilizados.
  • Desenvolvimento da auto avaliação.
  • Identificação de problemas e conquistas.
  • Identificação de soluções.
  • Divulgação e discussão dos resultados.
  • Elaboração de Plano de Ação.
  • Acompanhamento / Controle.

  Formas de Acesso  

Enem

A modalidade de ingresso via ENEM se aplica a todos os cursos de graduação, presencial ou a distância. A modalidade de acesso via ENEM contemplará os candidatos que quiserem utilizar sua nota de um dos 4 últimos exames aplicados do ENEM. O candidato deverá informar o ano de realização do ENEM e a nota obtida na redação, que será validada automaticamente pelo sistema.

Provas On-line

A modalidade de ingresso via prova online está disponível para todos os cursos de graduação ofertados, tanto presenciais como a distância. A Prova Online é composta de uma prova de redação a ser realizada online que visa aferir o domínio da habilidade de expressão escrita em seus diversos aspectos e consiste em uma interpretação de texto ou dissertação e terá caráter classificatório e eliminatório.

Provas Agendadas

A modalidade de ingresso via prova agendada se aplica a todos os cursos de graduação, presencial ou a distância. A Prova Agendada é composta de uma prova de redação a ser realizada em data previamente escolhida pelo candidato que visa aferir o domínio da habilidade de expressão escrita em seus diversos aspectos e consiste em uma interpretação de texto ou dissertação e terá caráter classificatório e eliminatório.

Vestibular Tradicional

A modalidade de ingresso via prova tradicional se aplica a todos os cursos de graduação, presencial ou a distância. A Prova Tradicional é composta de uma prova objetiva de 30 questões de múltipla escolha e uma redação, que visa aferir o domínio da habilidade de expressão escrita em seus diversos aspectos e consiste em uma interpretação de texto ou dissertação e terá caráter classificatório e eliminatório